ruas de Saint-Germain

As melhores ruas de Saint-Germain em Paris


Imagino que muita gente lendo um título sobre as melhores ruas de Saint-Germain vai achar que o assunto está desatualizado porque a “moda” agora é Le Marais. Bom…prefiro pensar que alguns destinos não tenham vencimento e o que é bonito mereça sempre a nossa atenção. E garanto que Saint-Germain não virou um um patinho feio de repente.

Muito pelo contrário. Saint-Germain-des-Prés é bem mais de que uma moda. É cultura, história e tradição, inclusive gastronômica. Sempre foi um dos meus bairros preferidos em Paris. Como não gostar daquela atmosfera romântica e meio decadente dos bistrôs literários?

Passeando pelas ruas de Saint Germain é impossível não pensar em Hemingway “chefiando” a Lost Generation, a Geração Perdida, juntamente com outros grandes personagens da literatura americana dos anos 20 e 30. Sem  falar nos jornalistas e escritores, como Sartre e Simone de Beauvoir, que batiam ponto e filosofavam nas brasseries do bairro.

Com os anos, é inegável, a cara do bairro foi mudando para satisfazer as necessidades dos turistas de passagem. C’est la vie. Mas eu apostei que atrás do corre-corre do Boulevard e das brasseries lotadas dia-e-noite, ainda existia um bairro de verdade. Fui lá conferir (e matar a saudade) e saí ganhando 🙂

As melhores ruas de Saint-Germain

Apesar de não ser mais o único baricentro de artistas e escritores em Paris, Saint-Germain-des-Prés não perdeu o charme e tem muito o que oferecer além do cliché boulevard-brasserie-boutique-pâtisserie.

Mas para vivenciar uma experiência um pouco mais autêntica tem que deixar de lado o Boulevard.

Foi assim que encontrei as melhores ruas de Saint-Germain. Com isso não quero dizer que sejam ruas frequentadas somente por parisienses. Em Paris não existe um lugar assim. Mas são ruas que mantiveram uma certa identidade, apesar de tudo.

Claro, uma olhada nas boutiques do Boulevard e nos famosos cafés Les Deux Magots e Café de Flore não vai estragar seu dia…mas não fique só por ali.

O ideal é um par de sapatos macios nos pés para enfrentar um roteiro de umas duas horas. Ou um pouco menos se for de bicicleta – alugada com o sistema municipal Velib – como eu fiz.

Um bom começo é a Église Saint-Germain-des-Prés, a mais antiga de Paris, e praticamente a única sobrevivente da abadia que ocupava a área que hoje coincide mais ou menos com o bairro. A igreja fica em cima da parada Saint-Germain-des-Prés da linha 4 do metrô. Bem prático, sem errada.

Igreja Saint-Germain-des-Pres

Igreja Saint-Germain-des-Prés


Rue Bonaparte

Um roteiro em Saint-Germain não pode deixar de passar pela Rue Bonaparte, que atravessa o bairro de ponta a ponta, passando ao lado da igreja. Começa no Jardin du Luxembourg  e vai até o Rio Sena.

A rua é repleta de bistrôs, galerias de arte, hotéis boutique e lojas de um certo calibre, como outras ruas de Saint-Germain. É pouco?

Então coloque na lista:

  • vários hôtels particuliers e elegantes palacetes históricos
  • École de Beaux Arts
  • Igreja Saint-Sulpice
  • Casa natal de Manet
  • moradia de ilutres como Robespierre, Sartre, Beauvois, Romy Schneider e Catherine Deneuve.

Ainda não decidiu? Então passe por lá só para entrar no reino dos macarons e da confeitaria em geral, ou seja, Pierre Hermé. Ou no concorrente Ladureé.

Rue Bonaparte

Um trechinho de Rue Bonaparte


ruas de Saint-Germain

A Pâtisserie Ladureé na Rue Bonaparte


Rue de Seine

No fim da Rue Bonaparte (lado Rio Sena) vire à direita e entre na Rue de Seine, uma das mais importantes e pitorescas do bairro. E talvez seja uma das ruas mais importantes do mundo, quando o assunto é galeria de arte. É uma ao lado da outra. Para quem gosta de conferir as últimas tendências é o lugar certo.

A lista dos personagens ilustres que moraram por lá é grande. Cito Baudelaire e o contemporâneo Marcello Mastroianni.

Fica entre o Jardin du Luxembourg e o Louvre.

Rue Seine

As galerias de Rue Seine


Rue de l’Abbaye

Quase no fim da Rue de Seine, à direita, fica Rue de Buci, mais um charme do bairro, e em seguida à direita outra vez, fica Rue de l’Abbaye, a rua da abadia. Um dos cruzamentos mais bonitos do bairro e talvez de Paris. Só lindezas num cantinho autêntico e silencioso da cidade.

Logo no início da rua fica a universidade católica, o Institut Catholique de Paris, num maravilhoso palacete cor-de-rosa que foi a antiga residência do abade de Paris.

Logo na frente do Instituto fica a verdadeira surpresa do roteiro: a Rue de Furstenberg.

Rue de Furstenberg

Raramente citada nos guias turísticos, é considerada – com razão – uma das ruas mais bonitas da cidade. Eu não conhecia ainda e foi amor à primeira vista. A rua, que parece mais uma pracinha, é tranquila, elegante, um verdadeiro ícone do estile parisiense e da arquitetura Haussmann.

A rua fazia parte da entrada do complexo residencial do abade e recebeu o nome em homenagem ao cardeal Guillaume-Egon de Furstenberg.

Hoje é uma zona residencial exclusiva com lojas de decoração. No número 6 fica o Musée Delacroix.

Rue de Furstenberg

Rue de Furstenberg, no fundo a antiga residência do Abade na Rue de l’Abbaye


ruas de Saint Germain

Esquina da Rue de Furstenberg com Rue Jacob


Rue Jacob

No fim da Rue de l’Abbaye fica a antiga Rue Jacob. Já em meados de 1600, foi o centro de uma controvérsia “imobiliária” que envolveu Margherite de Valois, primeira esposa de Henrique IV.

Super charmosa, com fachadas típicas parisienses, bistrôs, restaurantes e galerias de arte.

Quem tem pouco tempo pode encerrar o roteiro aqui. 🙂

Ou um pouco mais…

Para quem pode dar uma esticadinha – altamente aconselhável – o roteiro pode incluir duas ou três ruas de Saint-Germain que ficam do outro lado do Boulevard.

Meus pitacos incluem Rue PrincesseRue des Canettes, Rue Mabillon e Rue Guisarde. O quadrilátero é ideal para um passeio by night ou simplesmente um pit stop de abastecimento eno-gastronômico longe dos superfaturados bistrôs e brasseries do Boulevard.

Um pouco mais longe fica Cour du Commerce, uma travessa super pitoresca do Boulevard Saint-Germain. Na realidade a rua é uma galeria aberta e a entrada fica diretamente na calçada, meio escondida, ao lado da famosa pâtisserie Larnicol.

Vale o desvio para passar na frente do Le Procope, o mais antigo café de Paris, fundado em meados de 1600. Na realidade hoje em dia o café é um restaurante.

Fica com você!

Saint Germain

Rue Princesse em perfeito estilo parisiense


Cour du Commerce

Cour du Commerce: turística mas charmosa


Le Procope

O antigo e famoso Le Procope


Guarde no PINTEREST para ler depois


10 respostas
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Oí Helen,
      nem sempre dá tempo para tudo. Toda viagem tem prioridades. Ficando pouco tempo realmente fica difícil esticar o roteiro.
      Fica para a próxima.
      Abs

      Responder
  1. Diego Arena
    Diego Arena says:

    Muito legal esse post. Lendo e vendo essas fotos tenho a impressão de já ter passado por algumas delas quando fui para Paris, mas fiquei em dúvida .
    Adorei
    Obrigado por compartilhar.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *