Matera, a Capital Europeia da Cultura em 2019


Se você ainda não conhece Matera, a Capital Europeia da Cultura em 2019, ou melhor ainda, a Cidade das Pedras, está na hora de programar um pulinho por lá. A iniciativa, promovida pela União Europeia com o intuito de incentivar a integração e o intercâmbio entre os cidadãos europeus, vai transformar Matera durante o ano inteiro em um centro artístico e cultural. Uma ocasião e tanto para visitar esse pequeno tesouro na região da Basilicata, no sul da Itália.

Sobre Matera

Além de ser a terceira cidade mais antiga do mundo, ainda habitada, depois de Jericó e Aleppo, Matera é um lugar único e extraordinário graças à presença de grutas e cavernas utilizadas durante séculos pela população local como abrigo e moradia. As grutas escavadas no tufo calcário formam verdadeiros bairros, chamados Sassi (pedras em português), os famosos Sassi di Matera.

A história de Matera, na realidade, não começa nos Sassi, mas no outro lado do majestoso cânion, onde escorre o rio Gravina di Matera. Ali, no parque arqueológico Parco della Murgia Materana, ficam os assentamentos mais antigos, construídos dentro das cavernas naturais já na pre-história, entre o Paleolítico e o Neolítico. Estamos falando de 10.000 anos atrás ou mais.

Essas construções milenárias podem ser vistas mesmo de longe, sem atravessar o vale, simplesmente visitando os mirantes localizados em vários pontos do centro histórico de Matera.

Matera

As grutas mais antigas que ficam na frente da atual Matera, dentro do Parque Arqueológico


Ao longo dos séculos, a população migrou das antigas grutas para o local onde hoje fica a cidade de Matera. Na Idade dos Metais (isso mesmo!) foi fundado o primeiro núcleo “urbano”, chamado Civita, e aos poucos as grutas se transformam em moradias propriamente ditas, apesar de muito precárias e rudimentares.

A Civita, a parte mais antiga onde fica a Catedral, divide praticamente a cidade em duas, os SassiSasso Barisano, a zona mais moderna e residencial, e Sasso Caveoso, onde ficam as construções rupestres (casas e igrejas) escavadas nas rochas de tufo.

Explicar é difícil porque Matera é diferente de tudo o que você já viu. É um lugar misterioso, uma viagem no tempo, que encanta logo de cara e, mais ainda, à noite, quando vira um presépio iluminado. Imperdível.

Matera a capital europeia da cultura

Sassi di Matera: construções nas rochas


Sasso Caveoso

A Igreja San Pietro Caveoso no Sasso Caveoso, parte antiga de Matera


Matera

Igreja rupestre em Matera


A nova vida de Matera

O fato mais impressionante da história de Matera é que o arranjo urbano permaneceu praticamente inalterado  desde a Antiguidade até o século XX. Imaginem então a surpresa dos visitantes ocasionais ao encontrarem uma cidade inteira construída na rocha onde milhares de pessoas viviam com ovelhas, cabras e até burricos, em cubículos de tufo sem as mínimas condições de higiene. Nos anos 50 Matera chegou a ser definida a “vergonha nacional”.

Em 1952, o governo italiano finalmente ordenou o abandono das grutas e iniciou a construção de novas residências para os 15 mil habitantes de Matera que ali viviam.

A expropriação, no entanto, causou a abandono da cidade e, somente em 1986, o governo começou a financiar a restauração do núcleo antigo. E foi assim que o coração de Matera começou a bater mais uma vez. Chegaram os turistas, os intelectuais e os diretores cinematográficos como Pasolini e Mel Gibson para as filmagens de “O Evangelho segundo São Mateus” e “A Paixão de Cristo”.

E desde então foi só descendo a ladeira. Em 1993, o conjunto de casas e edifícios rupestres foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO. Em 2014, juntamente com Plovdiv na Bulgária, recebeu o título de Matera, a Capital Europeia da Cultura para ano de 2019. Foram quatro anos de restauros para deixar a cidade tinindo,  pronta para o evento.

Sassi di Matera

Matera: fotografia tirada no parque arqueológico, do outro lado do vale


Sobre Matera, a capital europeia da cultura

Como já deu para perceber, a manifestação é importantíssima para a cidade e toda a região Basilicata, uma das menos desenvolvidas da Itália. Durante todo o ano, até 20 de dezembro, Matera será o palco de mais de 300 eventos divididos em 5 grupos temáticos, cujo lema principal é Open Future. 

Os eventos incluem exposições de arte contemporânea, fotografia, dança, debates, concertos e teatro. Alguns eventos são gratuitos, outros são a pagamento e incluídos no passe “Passaporto per Matera 2019” que custa 19,00 euros (adulto) e que dá direito de acesso a todos os eventos.

Visite o site oficial para consultar o calendário completo | Matera 2019


Guarde no Pinterest para ler depois

Matera

2 respostas
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Ciao Maura,
      a Puglia é longa. A base depende do seu roteiro.
      Se for conhecer o sul, Lecce é uma boa opção. Lecce é uma cidade de médio porte, lindíssima!
      No centro/norte, a opção pode ser Bari, sempre de médio porte.
      Se você prefere cidades pequenas, as opções são muitas: Polignano, Monopoli,…
      Para um bate e volta até Matera, Bari é uma boa opção.
      Bom passeio.

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.