Milão fora do radar: Armani Silos e o bairro Tortona

 


Confesso que visitei Armani Silos, o museu de Giorgio Armani em Milão, meses depois da inauguração. De imediato não tive curiosidade, achando que a exposição fosse mais um show room do querido e admirado Giorgio.

Erro, erro, erro…Veja porque.

Armani Silos faz parte da Milão “secreta”

Milão não é Paris. Não é uma cidade onde você chega e diz: “Meu Deus, que maravilha, que sonho…” e fica apaixonada de cara.

Milão é linda para quem tem um pouquinho de paciência para descobrir o que não está na fachada. O legal de Milão não é estático e concreto, como um museu ou uma igreja, mas é a atmosfera, o movimento, a transformação contínua. Pode ser um bairro transado, uma rua charmosa, um hábito, uma tendência…

Armani Silos faz parte desse acervo milanês “não palpável”. Um acervo artístico não tradicional criado por Armani, um dos símbolos de Milão. Os dois nomes estão ligados para sempre. Não tenho dúvidas que foi principalmente ele que transformou Milão em uma das capitais da moda. E acho que nenhum outro representa o estilo milanês como ele.

Armani Silos é a essência de Giorgio Armani

Armani Silos fica no antigo armazém de grãos da Nestlé, uma edificação de grande porte dos anos 50 que servia para a estocagem de cereais. Foi abandonado e reformado por Giorgio Armani na ocasião da Expo 2015 para comemorar os seus 40 anos de profissão. Ele diz que foi  um presente para a cidade:

Eu escolhi o nome Silos porque o edifício era usado para a armazenagem de grãos, alimento que sustenta a vida. E assim como o alimento, o vestiário também serve para viver, explica Giorgio Armani.

A arquitetura do espaço foi criada por ele mesmo. O edifício, com uma área de 4500 mq, é como tudo o que Armani faz: essencial, minimalista, nunca frívolo ou fútil. Foi mantida a forma original do edifício, uma estrutura imponente, vazada no centro, parecida com uma colmeia, símbolo de trabalho incessante. As cores são neutras, principalmente cinzento e preto, para dar destaque às roupas e aos acessórios.

A exposição ocupa 4 andares temáticos que representam as inspirações artísticas de Armani:

  • térreo: day wear
  • 1 andar: exotismo
  • 2 andar: cromatismo
  • 3 andar: luzes

A exposição conta com 600 roupas e 200 acessórios, uma lojinha para artigos para presentes, uma caffetteria e um arquivo digital com esboços e desenhos para os fãs da alta costura.

Moda é questão de gosto, é claro, mas a exposição é maravilhosa. Enquanto você passeia pelas salas, vai entender porque Armani revolucionou a moda feminina, construindo – do nada – um modo de vestir completamente novo: sóbrio mas não tedioso, elegante e sensual.

Armani Silos 9


Armani Silos é um verdadeiro museu de arte contemporânea

Eu não sou uma fashion addicted, mas tirei o chapéu na frente das obras. Sim, são verdadeiras obras de arte. Nem tanto o day wear, que não é meu estilo, mas os vestidos de alta costura. Giorgio escolheu o melhor das suas coleções desde os anos 80 até hoje. Um desfile que conta a história da moda contemporânea, do nosso modo de vestir. Nosso, maneira de dizer kkk.

Descrever é difícil, então lá vão fotos e mais fotos…sem legenda. Não precisa.

armani silos - 2


armani silos -1


armani silos 4


armani silos 5


armani silos 6


armani silos 7


armani silos 8


Armani Silos fica no bairro Tortona, marco zero da nova Milão

Armani Silos fica no bairro Tortona, outro símbolo da cidade “secreta”. Um bairro industrial que entrou em declínio depois da crise da indústria “urbana”. Com o fechamento dos galpões e das fábricas que ficavam ali, o bairro perdeu a sua identidade. Quinze anos atrás começou o processou de revitalização com a transformação de espaços abandonados em centros empresariais, galerias de arte, lojas de design, centro de exposições, além de bares e restaurantes.

O bairro Tortona é o marco zero da revolução moderna de Milão. Aqui non blog já contei como ficou arrojado e moderno outro bairro revitalizado chamado Porta Nuova.

Durante o Salone Internazionale del Mobile, a famosa Tortona Design Week é ponto de referência do evento Fuorisalone, uma exposição de móveis e design que fica fora do centro de convenções, espalhada nos quatro cantos da cidade.

Quem visita Armani Silos poderia curtir também o Museo delle Culture, que fica pertinho, na Via Tortona 56. O museu fica numa antiga fábrica, reformada recentemente pelo arquiteto inglês David Chipperfield. Dentro ficam obras do cinco continentes pertencentes ao acervo da Prefeitura de Milão.


Como chegar no Armani Silos e no Mudec

Armani Silos | Via Bergognone, 40

Mudec | Via Tortona, 56

Metrô Linha 2 (verde) – Parada Porta Genova


Info úteis

Armani Silos | Para visitar a exposição com calma, reserve duas horas.

Site oficial | Armani Silos

Abertura | quarta, sexta e domingo – 11:00 – 19:00 h | quinta e sábado – 11:00 – 21:00 h

Ingressos | 12 euros

Mudec | Para visitar a exposição com calma, reserve duas horas.

Site oficial | MUDEC

Abertura | segunda –  14h30 – 19h30 | terça, quarta, sexta e domingo – 9h30 – 19h30 | quinta e sábado – 9h30 – 22h30

Ingresso exposição permanente | grátis até 31 agosto 2016

Ingresso normal | 5,00 euros

Ingresso mostras | 12,00 euros


Fotos: Adelaide Pereira  Reprodução proibida

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *