Roteiro em Nápoles: as atrações de Spaccanapoli


Que coisa difícil propor um roteiro em Nápoles. Uma cidade cheia de contradições, onde pairam lendas sobre perigos e ameaças de todo tipo. Muita gente desiste de antemão e usa Nápoles como mera base para bate-volta. Uma pena. Sabendo disso, a minha ideia é mostrar que nem tudo é o que parece, avisando o leitor que, sim, há roupas penduradas e becos abandonados em Spaccanapoli. E, sim, Nápoles é linda mesmo, mas é do tipo ame-a ou deixe-a.

Sobre Spaccanapoli

A rua conhecida como Spaccanapoli, em italiano “quebra Nápoles”, é um dos eixos do núcleo urbano da antiga Neapolis grega, que divide virtualmente a cidade em duas.

Spaccanapoli fica localizada no centro histórico, declarado patrimônio UNESCO em 1995, e abriga alguns dos principais pontos turísticos da cidade. Histórica mas, ao mesmo tempo, popular, vibrante, repleta de vielas estreitas, roupas penduradas nas janelas, lambretas e vendedores de rua. Enfim, todos os clichés possíveis e imaginários.

Na realidade Spaccanapoli é um conjunto de ruas que começa na Via Pasquale Scura, dentro do “temido” bairro Quartieri Spagnoli, passando pela Via Benedetto Croce e Via San Biagio dei Librai, e acaba na Via Vicaria Vecchia, depois da Catedral.

É segura? Apesar dos ares descuidados, das ruelas e do vaivém de napolitanos e turistas, não tive a sensação de perigo (mas não visitei o bairro à noite). Claro que precisa tomar cuidado com a bolsa – como em qualquer cidade grande cheia de desigualdades sociais e sem muito controle policial. Mais ou menos como no centro de certas cidades brasileiras. Mas nada além disso.

Aviso aos navegantes: deixe para comer em outras ruas de Nápoles. Tudo em Spaccanapoli é voltado ao turismo. Aconselho somente um café.

As principais atrações de Spaccanapoli

O trecho mais importante, que não pode faltar no seu roteiro em Nápoles, fica entre Via Benedetto Croce e Via San Biagio dei Librai, um verdadeiro museu ao ar livre porque entre a Idade Média e meados do século XVII, Spaccanapoli foi escolhida como sede de importantes igrejas, mosteiros e residências nobres.

Uma pena que as fachadas dos palacetes estejam tão estragadas e mal cuidadas. Imaginem que muitas vezes os monumentos ficam escondidos pelos letreiros das lojas de souvenir e pelos andaimes de obras paradas provavelmente há anos.

Então vamos lá: o roteiro começa na Piazza Gesù Nuovo, continua pela Via Benedetto Croce, e acaba na Via San Biagio dei Librai.

Igreja Gesú Nuovo (Chiesa del Gesù Nuovo)

A igreja é uma das principais atrações da cidade. Foi construída entre 1584 e 1601 pelos padres jesuítas, aproveitando o existente Palazzo Sanseverino, o palacete dos príncipes de Salerno.

O nome meio estranho de Gesú Nuovo, em português Jesus Novo, serviu para distingui-la da Chiesa del Gesú (ou Gesú Vecchio), construída anos antes.

A fachada austera, cinzenta e sem ornamentos, foi reaproveitada pelos jesuítas. Mas quem vê cara não vê coração. Dentro é deslumbrante, em estilo barroco, ricamente decorada em mármore.

Na abside (ma-ra-vi-lho-sa!) encontra-se a estátua da Imaculada Conceição, ladeada pelas estátuas de São Pedro e de São Paulo.

Nas naves encontram-se várias capelas, entre elas destaca-se a capela da Visitação (lado direito), onde ficam os restos mortais de San Giuseppe Moscati, canonizado em 1987, e a capela dedicada a Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus (lado esquerdo).

Uma atração imperdível no seu roteiro em Nápoles! Não deixe de entrar.

Horário | todos os dias 7.00 – 13.00 e 16.00 – 20.00

Chiesa Gesù Nuovo

A fachada sem ornamentos fazia parte do Palazzo Sanseverino, antiga residência dos príncipes de Salerno


roteiro em Nápoles

Uma das maravilhosas capelas da igreja


Chiesa Gesù Nuovo

Decoração das paredes e das cúpulas


Obelisco da Imaculada Conceição (Guglia dell’Immacolata)

Na frente da igreja Gesù Nuovo, na praça de mesmo nome, fica o imenso obelisco em mármore, em estilo barroco, dedicado à Imaculada Conceição. Foi construído em meados de 1700 pelos padres jesuítas graças a uma coleta pública.

Guglia dell'Immacolata

O obelisco da Imaculada Conceição (notem a altura do monumento em relação às pessoas ao lado)


Basílica e Mosteiro de Santa Clara (Complesso di Santa Chiara)

A construção do complexo da Ordem dos Franciscanos e das Clarissas foi iniciada em 1310 durante o reinado de Roberto d’Angiò sobre o terreno ocupado pelas antigas termas romanas.

É a maior basílica gótica da cidade, ladeada por quatro magníficos claustros decorados e ajardinados pertencentes ao antigo mosteiro. Na fachada principal, na Via Benedetto Croce, perto da Igreja Gesù Nuovo, há um belíssimo portal gótico do século XIV. O interior é simples e austero, típico da arquitetura franciscana.

Na basílica encontram-se os túmulos do rei Roberto I de Nápoles e da rainha Sancha de Maiorca, sua esposa.

Como o gótico é o meu estilo preferido, a basílica já entrou para a minha lista das igrejas mais bonitas da Itália

Horário | Basílica (todos os dias 7:30 13:00 – 16:30 20:00), Complexo (Segunda-Sábado 9:30 – 18:00 h; Domingo 10:00 – 14:30 ). Claustros: entrada a pagamento.

roteiro em Nápoles - basílica de Santa Clara

A basílica de Santa Clara em estilo gótico


Basílica de Santa Clara

Uma das belíssimas capelas no interior da basílica


Igreja de São Domingos Maior (Chiesa di San Domenico Maggiore)

A fachada não entusiasma mas dentro é uma maravilha arquitetônica em estilo gótico. Além disso, é um marco cultural da cidade porque funcionou como sede da Universidade de Nápoles e abrigou durante oito séculos de história (pasmem!) importantes personagens como Tomás de Aquino e o filósofo Giordano Bruno. Foi usada come sede da Ordem Dominicana durante o Reino de Nápoles.

O complexo, construído entre o fim de 1200 e meados de 1300 por vontade do soberano Carlos II d’Angiò, era praticamente auto-suficiente porque abrigava várias atividades essenciais para a vida quotidiana como a produção de pães e um herbário.

No centro da praça encontra-se um obelisco barroco  (Guglia di San Domenico) com uma estátua de São Domingos, o fundador da ordem dominicana.

Horário | todos os dias 10.00 – 18.00 (entrada lateral)

San Domenico Maggiore

Atrás dessa fachada difícil de entender fica uma das igrejas mais bonitas e importantes da cidade


Outros pontos turísticos

As dicas acima vão ajudar você a montar um roteiro enxuto em Spaccanapoli. Mas, acreditem, a zona é realmente um museu ao ar livre. Tem uma igreja ou um palacete histórico em cada esquina. Não vai dar para ver tudo. Se você tiver um pouco mais de tempo eu aconselho uma visita nos seguintes pontos turísticos:

  • Cappella Sansevero: uma preciosidade em estilo barroco que abriga o famoso “Cristo Velato” a escultura de Cristo de autoria de Giuseppe Sanmartino;
  • Igreja San Nicola a Nilo: igreja barroca na Via San Biagio dei Librai;
  • Basílica Gesù Vecchio:  fundada em 1554 pelos padres jesuítas, em estilo barroco.

Info úteis

Site oficial Gesù Nuovo | gesunuovo.it

Site oficial Complexo de Santa Clara | monasterodisantachiara.it

Site oficial São Domingos Maior | museosandomenicomaggiore.it


Guarde no Pinterest para ler depois

Napoles Spaccanapoli

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.