Roteiro em Veneza

Roteiro em Veneza: o que você não deve fazer


Já escrevi outras vezes aqui no blog: Veneza é uma cidade maravilhosa mas complicada. Quem monta um roteiro em Veneza sem planejamento pode ficar perdido no labirinto de monumentos deixando de curtir o clima especial que paira sobre as ruelas mais características. Simplesmente porque Veneza é sui generis, além de muito turística, muito mesmo. 

Conheci muita gente que não gostou de Veneza. Pasmem, mas é verdade: culpa das filas, hotéis lotados, muita gente, preços altos. Evite surpresas deste tipo e confira aqui no blog dicas para driblar a multidão e entrar em contato com a cidade verdadeira e com os venezianos. Leia por exemplo os posts sobre o Carnaval e onde perambular fora do radar.

Estava faltando no repertório do blog um post geral com regrinhas de sobrevivência. Vamos lá.

1. Não tente visitar todos os atrativos

Se tiver pouco tempo não tente incluir tudo…e mais alguma coisa…no seu roteiro em Veneza. Não tente bater ponto em todos os atrativos listados na internet e nos guias. Quem fica dois ou três dias deveria visitar os monumentos mais importantes. Quem sabe até contratando um bom guia, conhecedor dos segredos da cidade. Veneza é rica de história e estórias. Uma daquelas cidades onde um guia pode fazer a diferença.

Deixe uma manhã ou uma tarde para passear em bairros mais tranquilos como Cannaregio e Giudecca, nos bistrôs que ficam nas praças menos famosas (e quase sempre vazias) como Campo San Tomà e Campo San Polo, longe da Piazza San Marco e de Rialto. São nesses lugares que você vai descobrir e amar Veneza.

Evite visitar Veneza com bate e volta. Não fica perto de nenhuma cidade importante e além disso merece um roteiro de – pelo menos – dois dias.

Roteiro em Veneza - monumentos

Os símbolos de Veneza servem para marcar o roteiro. Tente ir além deles.


2. Não coma (e beba) na Piazza San Marco

E nem ao longo da “trilha” que leva você até a praça. São verdadeiras armadilhas para desavisados. Comida caríssima, qualidade zero. Nada a ver com a verdadeira culinária italiana ou veneziana.

Saia da “trilha”, vire nas ruas laterais, entre nas padarias, nos bistrôs frequentados pelos venezianos, sem cardápio imprimido em sete idiomas na entrada. Melhor parar em um bistrô e comer um sanduíche autêntico e um docinho típico do que um prato de spaghetti com molho ácido, pagando 10-15 euros por pessoa.

Tomar um cafezinho na Piazza San Marco? Loucura: você vai pagar 3-4 euros e taxas de serviço absurdas somente porque tem alguém tocando piano. É bonita? Claro, é linda. Mas não é o melhor lugar para lanchar ou para sentar e relaxar.

Alternativa: Depois da visita e das fotos, caia fora e procure ruas tranquilas onde curtir o ritmo lento veneziano, que parece parado no tempo…Onde? Veja logo aqui embaixo…

 3. Não encerre a visita na Piazza San Marco

Acho que 90% dos turistas encerra a visita na Piazza San Marco e depois fica perambulando sem meta nos arredores. Claro, a praça abriga os símbolos da cidade. Mas Veneza não acaba ali. Existem outros bairros “multidão-free” onde visitar monumentos artisticamente muito importantes, mas menos badalados, e curtir com tranquilidade o dia-a-dia dos moradores. Por exemplo?

Cannaregio

Bem pertinho da estação Santa Lucia, mas graças a Deus esnobado pelo turista apressado. Entre pela Fondamenta Venier Sebastiano ou por Cà d’Oro passando pela Strada Nuova (mais movimentada).

Vários atrativos importantes ficam nesse sestiere: a Chiesa degli Scalzi, a Campo San Geremia, o Palazzo Labia, a famosa Ponte delle Guglie, o Casinò di Venezia, o Campo San Marcuola e a sua igreja e a Chiesa San Giobbe. Para não falar das tranquilas Fondamenta San Girolamo e a Fondamenta de le Capuzzine.

Não deixe de passar pelo Campo di Sant’Alvise, um dos lugares mais agradáveis da bairro. Quando não faz frio é ótimo para descansar e lanchar nos banquinhos.

Ghetto di Venezia (gueto)

O tristemente famoso gueto veneziano fica em Cannaregio, bem perto da Fondamenta San Girolamo. A palavra “gueto” nasceu exatamente em Veneza, no início de 1500 quando foi criada na cidade uma área restrita onde os judeus eram obrigados a morar.

A área é praticamente uma pequena ilha rodeada por um canal. Tem somente duas pontes de acesso que aliás ficavam fechadas durante à noite porque os judeus podiam sair de dia…Sem comentários…Somente no período napoleônico foram abolidas as restrições aos judeus.

Uma característica muito importante do gueto é a altura dos edifícios que pode chegar até oito andares. Único caso em Veneza. Esse tipo de construção foi necessário para dar moradia a todos os judeus da cidade e aos que vinham de outras regiões da Europa.

Na realidade o gueto é formado por duas áreas adjacentes chamadas Ghetto Vecchio e Ghetto Nuovo. A praça do Ghetto Novo (Campo Ghetto Novo) é outro lugar tranquilo onde parar para comer e curtir a atmosfera veneziana.

No bairro encontra-se o Museo Ebraico.

Castello e Giardini della Biennale di Venezia

O bairro (sestiere) foi um dos primeiros povoados de Veneza (séc. V-VI). Aqui encontra-se o famoso Arsenale, símbolo da grandiosidade da República de Veneza. Durante muitos séculos foi o maior arsenal do mundo.

O bairro é um atrativo que não pode faltar em qualquer roteiro em Veneza. Tranquilo, verde, genuíno, além de abrigar monumentos  importantes, entre eles:

  • Chiesa di San Francesco delle Vigna (1554),
  • Chiesa di San Giovanni in Bragora (1505),
  • Chiesa di San Zaccaria (1490),
  • e, enfim, a majestosa Basilica dei Santi Giovanni e Paolo (1343).

Perambulando no Castello, você vai se deparar com uma Veneza completamente diferente, jardins, ruas amplas e arborizadas, como por exemplo a Via Garibaldi, que vira Fondamenta Sant’Anna quando começa o canal. Ou a pitoresca Fondamenta San Giuseppe, com dezenas de barquinhos coloridos parados na frente das casas. Você nem vai acreditar que está mesmo em Veneza.

Uma visita rápida no bairro vale a pena. Fica pertinho da Piazza San Marco e tem parada de vaporetto.

No sestiere Castello fica a Biennale di Venezia, uma das mais importantes exposições de arte do mundo.

Sestiere Castello - Arsenale di Venezia

Sestiere Castello – as torres do Arsenale di Venezia


Roteiro em Veneza - Ghetto

O “Ghetto Novo” no sestiere di Cannaregio – arquitetura completamente diferente


Roteiro em Veneza - Giardini

Reserve tempo para conhecer os bairros característicos (e fora do radar) de Veneza (na foto o “sestiere” Castello e seus jardins)


Ghetto di Venezia

O gueto de Veneza é praticamente uma ilha

Roteiro em Veneza - Cannaregio

Vielas tranquilas no sestiere Cannaregio. Deixando o caos de Veneza na rua paralela…


4. Não faça o passeio de gôndola

Bom, quero dizer, se é o sonho da sua vida, não deixe de fazer. Mas saiba que o preço do passeio não é nada módico e muito pouco “romântico”. Existem outros passeios mais baratos e menos concorridos que oferecem um ponto de vista ainda melhor da cidade, na minha opinião.

Alternativa: gastando muito menos você pode fazer um passeio de barco de 2 ou 3 horas no Canal Grande e nas ilhotas que ficam perto. Ou ainda um passeio de 4 horas nas ilhas de Murano, Burano e Torcello. Burano com suas casinhas coloridas e o silêncio de Torcello vão surpreender você. Preço? 20 euros por pessoa.

Se o orçamento estiver limitado use o vaporetto, o transporte público de Veneza. Eu sempre usei o vaporetto para conhecer a cidade. Existem linhas que levam até a Giudecca, Lido di Venezia, Torcello e Murano. Lugares top que merecem uma visita.

Confira os horários no site indicado no final do post.

Roteiro em Veneza - gondola

Passeio de gôndola? Romântico? Talvez. Mas caro, com certeza


5. Não coma pizza em Veneza

Não fique chocado. Mas não tem nada a ver comer pizza em Veneza, a não ser que seja a única cidade italiana que você vai visitar no seu roteiro.

Deixe para comer pizza quando for para Napoli (ou em qualquer outra cidade que não seja Veneza). Esqueça os restaurantes “turísticos”,   caros e de péssima qualidade. Vença aquela preguiça que amarra suas pernas e procure um lugar decente onde sentar e comer comida de verdade, gastando a metade, ou menos.

Por exemplo? Frutos do mar, polenta com bacalhau, os famosos petiscos venezianos chamados cicheti com uma taça de Prosecco ou de Spritz. Onde?  Num bacaro na beira da lagoa no Dorsoduro ou em Cannaregio.

Descubra aqui mesmo no blog outros pratos típicos de Veneza.


Informações úteis

Site oficial da companhia de transportes (vaporetto) | ACTV

Site oficial do turismo de Veneza | http://www.turismovenezia.it/


Fotos: Adelaide Pereira

6 respostas
  1. Giuliana
    Giuliana says:

    Bom dia, tudo bem?!
    Seu site é realmente incrível. Obrigada por dividir experiências mágicas com as pessoas 🙂
    Eu chego a noite em Veneza e pretendo passar um dia inteiro por lá. Você acha que em 1 dias inteiro é possível conhecer a verdadeira Veneza?
    Super beijos e obrigada

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Bom dia Giuliana,
      eu é que agradeço você por ter entrado em contato. Fico feliz que tenha gostado.
      É uma mission quase impossible. Mas vamos lá. Tem que planejar tudo muuuito bem.
      Você tem que chegar em Veneza com um roteiro redondinho e detalhado já escrito no seu smartphone ou no papel 🙂 . Eu uso My Maps, Navmii offline e Maps Me offline, por exemplo. Mas leve também um bom mapa (pode comprar na estação de trem quando chegar) e um bom guia (de papel).
      Inclua tudo no seu roteiro:
      – itinerário a pé
      – linhas do vaporetto para chegar no hotel e nas atrações que vai visitar e os horários
      – opções de lanches e restaurantes e como chegar (mais de uma alternativa para evitar contratempos)
      Não esqueça de comprar os ingressos on line para evitar filas. E não faça o mesmo roteiro da ida quando voltar para a estação de trem.
      O que ver?
      A lista é quase sem fim, é claro. Na minha opinião se você ficar um dia em Veneza tem que renunciar aos museus, a não ser que você tenha um interesse específico.
      Algumas atrações são mesmo imperdíveis, por exemplo: Piazza e Basilica di San Marco, Rialto, Palazzo Ducale (veja se entrar ou não), Ponte dei Sospiri, o Canale Grande com vaporetto (porque vai dar uma ideia geral e completa da cidade), le Mercerie (rua comercial que fica entre Rialto e Piazza San Marco) e algumas igrejas. Veja se pode encaixar um dos Palazzo venezianos, por exemplo Ca’ d’Oro.
      Caminhando ao longo desse roteiro entre as atrações mais importantes, saia da trilha turística e visite zonas mais tranquilas e características como Guetto, Cannareggio e San Polo. Fica tudo pertinho.
      Se der tempo acabe sua visita na Punta della Salute onde fica a Basilica Santa Maria della Salute, do outro lado do Canal Grande, no Dorsoduro. A vista de Veneza é muito bonita. Passeie nos arredores para espreitar a Veneza mais verdadeira. Vale a pena.
      Última coisa: mesmo chegando em Veneza à noite, deixe as malas no hotel e saia para tomar um vinhozinho branco e uns petiscos típicos de Veneza. Escolha um bairro pouco turístico. Você não vai se arrepender.
      Consulte também esse post: http://www.turistaimperfeito.com/veneza-roteiro-alternativo/
      Bom planejamento e qualquer dúvida entre em contato.
      Bjs

      Responder
      • Ana Paula
        Ana Paula says:

        Vou ficar 3 dias em Veneza, mas sua resposta me indicou as atrações principais, e quais locais valem enfrentar a fila para entrar. Vou montar o meu roteiro tendo elas como ponto de partida, e depois vou caminhar e me permitir me “perder” pela cidade.

        Responder
        • Adelaide
          Adelaide says:

          Oí Ana Paula,

          três dias em Veneza é uma boa escolha. Leve um bom mapa de papel e no smartphone. Em Veneza precisa. 🙂
          Primeira dica: não visite todos os atrativos no mesmo dia. Visite a cidade por bairros. Cansa menos, economiza tempo, e não enjoa ver tantos monumentos de uma vez só.

          Atrações com fila mas imperdíveis:
          – Basílica di San Marco (e a Piazza di San Marco). Se chover canivete, você fica na chuva e espera. kkkk
          – Palazzo Ducale: 600 anos de história, não perca. Juntamente com a Basílica, são os símbolos imperdíveis (e belíssimos) de Veneza. Tem o famoso Tour Secreto (que eu nunca fiz mas dizem que é muito legal. A ponte dos Sospiros está incluída. Dependendo do dia tem pouca fila.
          – Rialto: não tem fila porque não é fechada mas tem muita gente
          – Passeio de vaporetto no Canal Grande
          – Pouca fila: Ca’ Rezzonico, Museo Peggy Guggenheim (se você gosta de arte e arquitetura)

          Se você gosta de igrejas e de arquitetura (não tem filas): Basilica di Santa Maria della Salute, 1687 (posição panorâmica, um dos melhores monumentos barrocos de Veneza), Santa Maria dei Miracoli (1489) no bairro Cannaregio, Basilica dei Santi Giovanni e Paolo (1343), no bairro Castello numa praça muito legal, Igreja San Zaccaria (séc IX) pertinho da Piazza San Marco, entre outras.
          Visitar essas igrejas já é um passeio longe da multidão.

          Para se perder: Dorsoduro (um dos meus bairros preferidos), Guidecca, Cannareggio e Ghetto Ebraico.
          Não que sejam desertos, lembre-se que estamos em Veneza, mas finalmente você vai achar um pouco de sossego.
          Dorsoduro não é má ideia para hospedagem porque não fica longe das principais atrações. O mesmo vale para Cannareggio.
          O bairro mais contra-mão para visitas é Giudecca.

          Uma super dica na minha opinião é um pulinho do Campo Santa Margherita. Agito sim, mas veneziano, e nada a ver com Piazza San Marco e arredores.
          Pracinha pra sentar, relaxar e experimentar o famoso Spritz.

          Se der tempo conheça Burano (menos turística do que Murano) e com lojas com artigos mais selecionados e menos cara de souvenir.
          Abs

          Responder
  2. Ana Paula
    Ana Paula says:

    Como vou chegar de trem por volta da 10:30, pretendo aproveitar a tarde visitando os imperdíveis da praça San Marco. Como vou ficar hospedada pelo airbnb em Cannareggio, no dia seguinte, pretendo começar pelo mercado de Rialto, e visitar San Polo, Dorsoduro e caminhar até a Santa Maria della Salute. No último dia, Cannaregio e Ghetto (meu trem parte as 18:00). Não sei quando incluiria um passeio de vaporeto pelos outros canais, para ver (de passagem) as outras ilhas.
    Fiz pesquisa e achei que sairá mais barato comprar o passe para 10 museus, e um de 3 dias de vaporeto. Montei todo o roteiro baseada nas suas indicações. Obrigada pelas valiosas dicas.

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Olá Ana Paula,
      o roteiro está ótimo.
      Se no segundo dia você começar cedo, antes de iniciar o roteiro tente encaixar um pulinho em Murano (Burano é mais bonita, mas fica mais longe).
      A parada do vaporetto fica em Cannaregio na rua “Fondamenta Nuove”. Murano fica a meia hora de Cannaregio.
      Pode ser também no último dia já que você fica sempre nos arredores de Cannaregio.
      O passeio é legal. Murano é bem alegre.
      Não perca também um passeio de vaporetto no Canal Grande, na ida ou na volta dos passeios 🙂
      Boa viagem

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *