Roteiro na Sicília barroca: as cidades do patrimônio Unesco


Dicas para o seu roteiro na Sicília Barroca entre as maravilhosas cidades de Noto, Modica, Ragusa, Scicli e Siracusa, todas tombadas pelo Patrimônio UNESCO.

Montar um roteiro na Sicília é um pequeno desafio. Tudo parece perto, e facilmente caímos na ilusão de visitar tudo numa semana. Mas é ilusão mesmo, porque não dá. O problema não é distância, mas a quantidade de lugares interessantes que merecem uma visita.

Em uma semana você só consegue visitar o básico de algumas partes da Sicília. Isso, algumas partes. Sim, precisa escolher,, focar, porque na Sicília tem de tudo: monumentos sem igual,  comida gostosa, praias e paisagens matadoras. Sem falar naquele jeito leve de ser, o famoso ritmo siciliano de enfrentar a vida quotidiana, que não deixa de ser uma atração…

Aqui no blog tem vários roteiros sicilianos porque é uma região que adoro e recomendo. Agora é a vez da “Sicília Barroca“, com certeza um dos itinerários culturais mais importantes da Itália, um desfile de monumentos tombados como Patrimônio UNESCO.

A principal característica do roteiro é a arquitetura barroca siciliana, muito suntuosa e rebuscada, bem diferente do barroco tradicional. É um estilo arquitetônico único, desenvolvido entre os séculos XVII e XVIII, depois do terremoto de 1693 que ocorreu na região do Vale de Noto (em italiano: Val di Noto).

O roteiro “barroco” completo inclui na realidade dois circuitos diferentes:

  • Val di Noto (Vale de Noto): itinerário com 8 cidades tombadas como patrimônio Unesco: Catania, Caltagirone, Militello Val di Catania, Modica, Noto, Palazzolo Acreide, Ragusa e Scicli.
  • Siracusa e a necrópole rupestre de Pantalica: apesar de ficar próxima do Vale de Noto, a cidade de Siracusa faz parte de outro patrimônio Unesco.

Como o roteiro ficaria longo, no mínimo 10 dias, fiz um resumo enxuto que poderia caber em 7 ou 8 dias… mas sem incluindo as atrações mais importantes. Palazzolo, Militello, Caltagirone e a Necropoli di Pantalica ficam mais longe, ouse seja, no mínimo 2 dias a mais. Ainda não tive tempo de visitar nenhuma delas.

Para curtir sua visita sem atropelos, evite a alta temporada (julho e agosto) porque a região lota e fica muito quente.

Roteiro na Sicília Barroca em 6 etapas

O roteiro tem seis paradas imperdíveis: Catânia, Siracusa, Noto, Modica, Ragusa e Scicli. Vamos fazer as contas:

  • 1 dia em Catânia, onde por sinal fica o aeroporto mais próximo (dois dias inteiros se incluir Taormina e o vulcão Etna);
  • 2 dias nas cidades de Modica, Ragusa e Scicli
  • 1 dia em Noto
  • 2 dias em Siracusa.

Um dia de deslocamentos sem pressa,  incluindo a volta para o aeroporto. Se o roteiro cair no verão eu colocaria um dia a mais para conhecer e relaxar em uma das praias da região, como por exemplo Calamosche.

Muitas cenas da série italiana O Comissário Montalbano foram filmadas nas cidades do roteiro.

Qualquer roteiro na Sicília é mais prático de carro porque a rede pública de transportes ferroviários e rodoviários é mais carente em relação a outras regiões italianas.

O roteiro na Sicília Barroca não é uma exceção. Claro que dá para fazer tudo de trem e ônibus, no entanto, é aconselhável aumentar o número de dias e planejar com mais cuidado todos os deslocamentos.

Dica | as duas principais empresas de ônibus interurbanos com linhas para Siracusa, Modica e Ragusa são a Interbus e a AST.

Catânia

Começo com a cidade que gosto menos kkk. Apesar de muito bonita, acho o conjunto arquitetônico de Catânia menos harmonioso em relação às outras cidades do roteiro, provavelmente porque o centro histórico é grande e meio caótico.

Um detalhe importante é que em Catânia fica o aeroporto mais importante da região. E, além disso, poderia ser sua primeira base para um bate e volta até Siracusa (e Taormina e o vulcão Etna). Não aconselho outras esticadinhas, principalmente se você não estiver viajando de carro.

Aqui no blog tem alguns artigos sobre sobre Catânia, inclusive sobre Taormina e o vulcão Etna.

roteiro na Sicília

Detalhe da Igreja de San Giuliano em Catânia


Siracusa, a cidade de Arquimedes

Siracusa, a 65 km de Catânia, é uma das cidades mais bonitas da Sicília e da Itália! Tombada pela Unesco desde 2005, a cidade fundada pelos coríntios oferece uma inesquecível viagem no tempo de quase 3.000 anos.

O centro histórico fica na ilhota de Ortigia, ligada ao restante da cidade por uma ponte. Nesse pedacinho de terra, tudo é pitoresco, tudo é arte, mitologia e cultura (o grande Arquimedes nasceu lá!).

Em cada esquina você cruza com um monumento, um palacete, uma praça onde vai dar vontade de tomar um sorvete siciliano ou saborear um cannolo. Carpe diem!

Visitar Ortigia é fácil e agradável, até porque a circulação de carros não autorizados é proibida. O baricentro do roteiro é a Piazza Duomo, praça que abriga a Catedral, uma obra-prima sem igual, e a igreja Santa Lucia alla Badia. O conjunto das fachadas aristocráticas, em tons de âmbar e bege, é um dos mais lindos que já tive a oportunidade de visitar na Itália.

A poucos minutos da praça, em direção à beira-mar, fica a Fonte de Aretusa. Estique mais um pouco até o Castello Maniace, antiga fortificação com uma excelente vista panorâmica.

Outras paradas no centro de Ortigia que merecem a nossa atenção são a Fonte de Diana, o Templo de Apollo, o Palazzo Bellomo, o mercado e o labirinto de ruelas coloridas.

Fora da ilha de Ortigia, outra atração muito importante é o Parque Arqueológico de Neapolis onde encontram-se o Anfiteatro Romano, o Teatro Grego, o Ouvido de Dionísio, a tomba de Arquimedes e as antigas pedreiras (latomia).

catedral de Siracusa

A fachada dourada da Catedral de Siracusa


castello-maniace

Castello Maniace em Siracusa, construído em 1239


Noto, a essência do barroco siciliano

Qualquer roteiro na Sicília deveria incluir o circuito do Vale de Noto, um conjunto de monumentos de inestimável valor, tombados como Patrimônio UNESCO.

Como escrevi lá em cima, o circuito inclui 8 cidades mas se o tempo for curto, não deixe de visitar pelo menos Noto, a 40 km de Siracusa. A cidade, complemente destruída no terremoto de 1693, foi reconstruída no século XVIII em estilo barroco siciliano.

A visita começa no Corso Vittorio Emanuele, a rua principal, que passando pela Porta Reale, nos leva até as atrações mais importantes da cidade: a Catedral de San Nicolò, o Palazzo Ducezio e as igrejas de San Domenico, Santa Chiara, San Carlo al Corso e San Francesco.

Para apreciar os palacetes barrocos, visite também a Via Cavour, passando pela Via Nicolaci, onde fica o suntuoso Palazzo Nicolaci.

A posição de Noto combina com práticas esticadinhas até Modica, Ragusa e Scicli.

catedral de Noto

A Catedral de Noto, tombada como patrimônio UNESCO


O trio Modica, Ragusa e Scicli

Para fechar seu roteiro na Sicília Barroca, minha dica é esse triozinho lindo demais. São cidades menos famosas e mais discretas, mas todas tombadas pela Unesco.

Eu, por exemplo, montei minha base em Scicli, a menos turística delas e, portanto, mais autêntica e tranquila (e mais barata).  O centro de Scicli é pequeno mas rico de atrações, começando pela Via Mormino Pena, onde fica a majestosa sede do Município e as igrejas San Giovanni Evangelista e San Michele.

Imperdíveis também os palacetes Bonelli-Patané e Spadaro.  No fim da Via Nazionale, encontra-se a Igreja de San Gugliemo e o Palazzo Fava e, mais na frente, a maravilhosa igreja de San Bartolomeo, cuja fachada em tons de dourado é um deleite para os nossos olhos.

cidade de Scicli

A igreja de San Bartolomeo


Depois da charmosa Scicli, não nos resta que esticar até a panorâmica Ragusa e Modica, conhecida também como a cidade do chocolate. As duas cidades ficam bem perto uma da outra (10 min de carro) e podem ser visitadas em um dia.

Ragusa é dividida em duas “cidades”, Ragusa Nuova construída depois do terremoto e Ragusa Ibla, a cidade velha.

Na cidade “nova” ficam as igrejas de Santa Maria delle Scale (a ladeira é longa mas vista é maravilhosa) e Santa Maria dell’Itria. Imperdíveis a Catedral de San Giovanni, construída em meados de 1700, e os palacetes barrocos de Cosentini e Nicastro.

Na cidade “velha”, muito mais bonita na minha opinião, siga pelas pitorescas Via del Mercato e via XI Febbraio, sem perder as ruelas laterais onde ficam palacetes importantes como por exemplo o Palazzo la Rocca. O itinerário acaba no imponente Duomo di Ragusa ou no Giardino Ibleo, para curtir o panorama.

Modica, a cidade natal de Quasimodo, é uma visita gourmet e cultural. Sem dúvidas, as catedrais de San Giorgio e San Pietro estão entre as mais bonitas do roteiro mas… o “cioccolato di Modica” pode entrar tranquilamente na sua listinha das atrações imperdíveis kkk. Entre um chocolate e outro, não esqueça de visitar as igrejas de Santa Maria del Gesú e San Giovanni Evangelista.

Em Modica e Ragusa há muitas ladeiras, portanto precisa organizar o roteiro para evitar sobe e desce desnecessário.

duomo-ragusa

A Catedral de Ragusa Ibla ao anoitecer


Cada uma das cidades que incluí no roteiro abrigam dezenas de monumentos importantes que não citei porque a intenção é dar uma ideia geral do acervo tombado pela Unesco. Aguardem novos artigos com maiores detalhes.

Enquanto isso, continue explorando os patrimônios Unesco espalhados pelo mundo afora com as dicas que selecionei para você. No blog Destinos por onde andei tem um roteiro prático de um dia entre os vilarejos da Cinque Terre na Itália.

A Olívia garimpando por aí conta tudo sobre o maravilhoso templo de Angkor Wat no Camboja e a Lilian do blog Uma Senhora Viagem sobre a cidade de Ait-Ben-Haddou, no Marrocos.

E para ficar pertinho de casa tem o artigo sobre o Patrimônio cultural do Rio de Janeiro no blog Turista FullTime.

Bom proveito e até a próxima!


5 respostas
  1. Olivia says:

    Eu preciso voltar à Itália para conhecer essa região e esse roteiro pela Sicília Barroca e as cidades que são patrimônio da Unesco. Amo a Itália, já estive duas vezes, mas esse país maravilhoso guarda muitas surpresas. Obrigada por compartilhar.
    beijos

  2. Lilian Azevedo says:

    Sonho há anos em conhecer a Sicília e cada vez fico mais animada com a quantidade de roteiros possíveis. Já estou imaginando percorrer a Sicília Barroca e conhecer ao vivo tanta beleza, cultura e história. Essas cidades que são patrimônio da Unesco serão especiais, com certeza. Seus posts serão meu guia de viagem. Nada como poder contar com uma amiga brasitaliana

  3. Lilian Azevedo says:

    Sonho há anos em conhecer a Sicília e cada vez fico mais animada com a quantidade de roteiros possíveis. Já estou imaginando percorrer a Sicília Barroca e conhecer ao vivo tanta beleza, cultura e história. Essas cidades que são patrimônio da Unesco serão especiais, com certeza. Seus posts serão meu guia de viagem. Nada como poder contar com uma amiga brasitaliana dando dicas reais. Beijocas

  4. GISELE PROSDOCIMI says:

    Impressionante seu roteiro na Sicília Barroca, incluindo estas cidades tombadas pelo Patrimônio UNESCO. Concordo com você de que deveria ter tido mais tempo para poder conhecer tudo com mais calma, a Itállia tem esta característica, haja tempo para tanta história, cultura e beleza. Mas o que conseguiu nos mostrar aqui já dá uma ótima idéia do conjunto do que podemos aguardar em uma viagem linda como esta. Beijos.

  5. Regina Oki says:

    É impressionante o quanto a Itália tem a oferecer em termos de patrimônios culturais! Confesso que conheço muito pouco a Sicília. A pequena amostra foi por conta de uma parada de cruzeiro, quando tive a chance de conhecer Taormina, o que já me deixou encantada. Gostaria muito de ter ido ao Monte Etna e lamentei não ter conseguido. Agora com este post completão, já sei que vou precisar de muito mais tempo. Parabéns pela compilação. Que saudades de viajar pela Itália. Beijão!

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.