veneza-dorsoduro

Veneza: roteiro alternativo e outras dicas


Veneza é única. Um arquipélago de 118 ilhas no meio de uma lagoa rasa e salobra parece desafiar as leis da física. Tudo interligado por 150 canais e 400 pontes. Um acervo artístico e cultural sem igual, além de um ecossistema natural raríssimo, em extinção.

Ao longo dos canais, as casas parecem suspensas, mas na realidade estão bem ancoradas por uma técnica de construção sofisticada, que resistiu no tempo, apesar das condições ambientais desfavoráveis.

Veneza é dividida em seis bairros ou distritos (sestiere em italiano): Cannaregio, Castello, Dorsoduro, San Marco, San Polo e Santa Croce.  Somente três pontes, Ponte di Rialto, Ponte dell’Accademia e Ponte degli Scalzi, unem as duas margens do Canal Grande, a principal artéria da cidade.

Cada sestiere tem um sistema independente de numeração das casas, que pode chegar até o número 7000 como no sestiere Castello!! Achar um hotel às vezes é um quebra-cabeça!

Mas voltando a Veneza, é preciso dizer que visitá-la não é uma tarefa fácil. Muito turística, geralmente cara, canais e pontes, transporte exclusivamente aquático. Visitá-la em um dia é quase impossível, além de ser uma pena…

O planejamento prévio da estadia, principalmente se você estiver com orçamento restrito, vai evitar muitos aborrecimentos, perda de tempo e de dinheiro.

Veneza tem turista durante o ano inteiro e portanto valem sempre algumas regras básicas de sobrevivência…

A primeira delas é tentar descobrir a cidade escondida atrás das lojinhas de souvenir e dos restaurantes típicos “de mentirinha”. Escolha um roteiro alternativo, longe do empurra-empurra, para chegar até a Piazza San Marco, sem renunciar aos monumentos que você viu milhares de vezes nos cartões postais.

Use um mapa detalhado da cidade. Um dos problemas de Veneza é que em cada esquina tem uma placa indicando o “atalho” para a Piazza San Marco. Resultado? 99% dos turistas seguem esta “trilha” que, na maioria das vezes, é estreita e feia.

É difícil fotografar, achar um ponto turístico, um restaurante ou uma loja… Nos dias de Carnaval, fica difícil até sair do meio da multidão.

O veneziano não usa a “trilha” dos turistas. Faça como ele. Você vai descobrir ruas tranquilas e pitorescas, feirinhas de bairro, botecos, padarias. Enfim, uma cidade de carne e osso. Talvez sem os palácios maravilhosos do Canal Grande, que você pode ver depois, mas com o jeito de pessoas normais, de vida corriqueira. E preços aceitáveis… (aceitável, não barato, porque Veneza é Veneza).

Volte para a “trilha” somente nas proximidades dos pontos turísticos mais importantes, como por exemplo, Rialto, Piazza San Marco e nos “Campo”, ou seja, as praças espalhadas pela cidade geralmente na frente das igrejas mais importantes. E o único modo de conhecer sem atropelos a Veneza “normal”.

A minha sugestão para você chegar até a Piazza San Marco e voltar para a estação de trem atravessando alguns dos sestieri mais pitorescos da cidade é a seguinte:

Cannaregio – Rialto – Piazza S. Marco – Dorsoduro – Canal Grande – Estacão


Roteiro do Turista imPerfeito

Cannareggio

O sestiere de Cannaregio fica ao lado da estação de trem, entre a lagoa, o Canal Grande e o sestiere Castello. É um bairro “residencial”, com calçadas (chamadas fondamenta) amplas ao longo dos canais, bares, lojinhas, praças (chamadas campo).

Gueto de Veneza

Placa no Gueto de Veneza

Atrações:

  • Ponte dei Tre Archi
  • Fondamenta di Cannaregio
  • Gueto de Veneza (o gueto mais antigo do mundo, construído em 1516)
  • Campo Ghetto Nuovo
  • Fondamenta della Misericórdia
  • Casa de Tintoretto
  • Campo dei Mori
  • Madonna dell’Orto
  • Fondamenta dell’Abbazia
  • Scuola della Misericórdia
  • Fondamenta Santa Caterina
  • Campo dei Gesuiti
  • Santa Maria dei Miracoli
  • Campo dei Santi Apostoli
  • Ca’ d’Oro
  • Rialto.
Ponte Tre Archi - Sestiere Cannareggio

Ponte Tre Archi – Sestiere Cannareggio

Ruas tranquilas em Cannaregio

Ruas tranquilas em Cannaregio


San Marco

Sede política e judiciária de Veneza. É o coração da cidade, onde encontram-se os hotéis, os bares e lojas mais luxuosos, igrejas, teatros e palácios monumentais.

Detalhe da fachada da Basílica de San Marco

Detalhe da fachada da Basílica de San Marco


Atrações
:

  • Piazza di San Marco (única praça chamada praça em Veneza!)
  • Basílica de San Marco
  • Palazzo Ducale
  • Campanário da Basílica
  • Torre do Relógio
  • Museu Correr
  • Harry’s Bar
  • Caffè Florian
  • Campo San Moisè
  • Teatro la Fenice
  • Campo Santo Stefano
  • Campo San Vidal
  • Ponte dell’Accademia.

Dorsoduro

Meu bairro preferido em Veneza, com vista panorâmica da lagoa e da ilha de Giudecca, além de uma calçada (fondamenta) na beirinha da água. Aqui encontram-se Campos silenciosos, áreas verdes, bares típicos.

Bairro ("sestiere") de Dorsoduro - Veneza

Fondamenta no bairro (“sestiere”) de Dorsoduro – Veneza


Atrações:

  • Palazzo Dario
  • Museu Peggy Guggenheim
  • Punta della Dogana (Ponta da Alfândega, divide o Canal Grande e a Giudecca)
  • Zattere (antigas docas de Veneza utilizadas para o transporte de madeira)
  • Campo dei Gesuati
  • Campo San Trovaso
  • Squero di San Trovaso (antigo canteiro para construção de embarcações, inclusive gôndolas; um dos poucos ainda ativos)
  • Campo San Sebatiano
  • Campo San Barnaba
  • Ca’ Rezzonico
  • Ca’ Foscari
  • Campo Santa Margherita (lugar ideal para descansar em um dos bares ao ar livre, saboreando o Spritz, drink típico veneziano).

San Polo

Entrando em San Polo, você vai voltar para uma das zonas mais animadas da cidade, com feiras, lojas e o mercado de Rialto. Aproveite para procurar um “bacaro“, boteco onde você não pode deixar de experimentar os famosos “cicheti“, típicos tira-gostos e petiscos venezianos.

A tradição do bacaro é muito antiga, existe desde a época romana. O bacaro serve vinho (ou o famosíssimo Spritz) com petiscos. Nada mais. Duvide das imitações.

Atrações:

  • Campo San Rocco
  • Campo dei Frari
  • Campo San Polo
  • Campo San Tomà.
Rialto - Vista de Veneza

Rialto – Vista do Canal Grande


Canal Grande

O canal é a principal via de transporte. Atravessa a zona mais nobre da cidade, onde encontram-se os palácios das famílias venezianas mais importantes.

No Campo San Tomà, aconselho pegar um vaporetto para voltar para a estação de trem. É um passeio imperdível, mas deve ser feito durante o dia com um bom guia nas mãos.

Se tiver tempo, desça nas principais paradas para visitar os palácios venezianos. Dentro são ainda mais suntuosos. Escolha um ou dois para uma visita porque você não vai se arrepender.

Canale Grande

Canale Grande


Saindo da parada de San Tomà, o vaporetto vai passar na frente de antigos palácios góticos, barrocos e bizantinos, entre eles:

  • Palazzo Mocenigo
  • Palazzo Grassi
  • Ca’ Foscari
  • Palazzo Giustinian
  • Ca’ Rezzonico
  • Rialto
  • Palazzo Dolfin-Manin
  • Palazzo Bembo,
  •  Ca’ d’Oro
  • Ca’ Pesaro
  • Palazzo Correr-Contarini, etc…

É a Veneza que emociona, de arrepiar, aquela que você viu tantas vezes nos cartões postais.

icona dicas

Cuidado com a hospedagem


A alternativa mais procurada para quem não quer gastar muito é Mestre, a 5 min de trem. Mas pessoalmente acho que seja una cidade feia, com cara de dormitório.

Não estrague a sua estadia em Veneza com uma hospedagem anônima e sem graça. Se você reservar com antecedência vai achar boas opções em cantinhos sossegados no centro da cidade (bed&breakfast, pequenas pousadas). Use a plataforma Airbnb, por exemplo. Em Veneza oferece muitos apartamentos legais. Se você nunca usou Airbnb, leia aqui no blog como funciona.

Se não deu em Veneza, tente Pádua, por exemplo, que fica mais longe de Mestre (20-30 min de trem) mas é uma cidade histórica e cheia de charme. Ou Chioggia, na ponta sul da Lagoa de Veneza, com parada de vaporetto. E’ uma pequena Veneza, com canais e pontes.

Leia mais >> Tudo o que você precisa saber sobre Airbnb

Refeição longe das “trilhas” e lanches em bacaros ou padarias


Em Veneza, comer bem é uma missão quase impossível. Não por falta de pratos típicos, mas porque o turismo de massa acaba com qualquer tradição gastronômica. Turista com pressa come qualquer coisa. Principalmente durante o carnaval.

Por isso, achar um bom restaurante ou café sem gastar uma nota não é tarefa fácil. A não ser que você seja o maior craque de tripadvisor ou um conhecedor da cidade. Fora isso, tem que ter sorte e usar uns truquezinhos.

Por exemplo, deixe pra lá o tal do menu turístico, não vale nada. Não é comida italiana. Você vai comer um prato de spaghetti cozido demais com molho ácido por cima.

Melhor entrar numa das vielas meio escondidas e comer um prato típico veneziano em um bacaro ou até mesmo um sanduíche com ingredientes locais ou uma boa pizza quentinha e crocante.

Se você estiver seguindo a famosa “trilha” do empurra-empurra, na hora das refeições comece a sair dela e procure identificar bares com clientela italiana. É um bom início. O ideal seria achar clientela veneziana, mas isso fica bem mais difícil se você não tiver orelha para sotaques.

Se for realmente complicado achar um lugarzinho aceitável, entre numa padaria ou “gastronomia“: pão fresco, queijo típico local e um bom presunto. Pra que mais?

Durante as andanças, comece a dar uma olhada nos botecos (bacaros). Antes do jantar, você vai precisar deles para experimentar os famosos “cicheti“.

Ache um cantinho especial para fechar com chave de ouro


Veneza é um sonho de viagem para muitas pessoas. Tantos conseguem chegar lá com sacrifício, somente uma vez na vida.

Não desperdice este momento mágico. Reserve uma horinha para sentar num cantinho que você achou especial, uma praça, um boteco na frente de um monumento que gostou, nas docas.

Não precisa ser um lugar luxuoso, exclusivo, ou sem turistas. Deve ser inesquecível.

O meu era na Ponta della Chiesa Santa Maria della Salute, no Dorsoduro, do outro lado do Canal Grande, na frente da Piazza San Marco.

O lugar proporciona uma vista fantástica da praça. Eu ficava horas sentada na Fondamenta e parecia que Veneza estava nas minhas mãos.

Experimente os pratos típicos de Veneza


E para acabar seu roteirinho com chave de ouro não deixe de experimentar os pratos típicos.

  • riso e piselli“, em dialeto risi e bisi: prato delicioso, nem risoto nem sopa, feito com arroz e ervilhas frescas e bacon em cubinhos.
  • pasta e fagioli” em dialeto pasta e fasioi: prato rústico, tipo sopa densa, feito com massa curta e feijão.
  • bigoli” única massa veneziana.
  • baccalà mantecato“: um dos pratos mais famosos de Veneza preparado com bacalhau cremoso, azeite e alho (às vezes leite), servido com fatias de polenta torrada.
  • fegato alla veneziana“: outro prato famosíssimo feito com fígado acebolado, servido com polenta.
  • fritole“: docinhos fritos feitos com farinha, ovos e uvas passa (doce carnavalesco).

E os vinhos típicos de Veneza e arredores


  • Prosecco
  • Bardolino
  • Bianco di Custoza
  • Breganze di Vicenza
  • Valpolicella
  • Soave


14 respostas
  1. Marcos
    Marcos says:

    Oi estou indo pra Veneza em junho. Vale a pena dar um pulo em Murano e Lido?
    Bairros bons (e baratos) para hospedagem?
    Obg

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Oi Marcos, como escrevi no post, em Veneza é importante reservar com antecedência.
      Eu gosto muito de Dorsoduro e Cannaregio porque são zonas mais tranquilas e com preços aceitáveis. San Marco é mais caro e turístico; você paga pela localização e nem sempre pela qualidade.
      Tente hospedagens alternativas tipo Bed&Breakfast ou pequenas pousadas.
      Se você não achar complicado usar o “vaporetto”, tente o Lido (no verão é agradável) ou Chioggia.
      Murano é bonita, é uma pequena Veneza, com casas coloridas, pontes e canais. Se você ficar mais de um dia em Veneza, vale a pena dar um pulo.
      Tem muitas lojas de artesanato com o famoso vidro de Murano. Na minha opinião, as peças mais bonitas são as bijuterias.
      Boa viagem!

      Responder
  2. Giovana Barbosa Conte
    Giovana Barbosa Conte says:

    Olá, é possível alguma lista de restaurantes em Veneza tipicamente italianos, com preço justo? Imagino que deva existir muitos pega turistas e já queria sair daqui com alguns restaurantes anotados para não correr esse risco!

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Olá Giovana,
      você tem razão: melhor ir preparada. Veneza está repleta de armadilhas para turistas. Sugerir locais onde comer é meio difícil porque depende do orçamento e do gosto de cada um. Mas vou tentar dar uns pitacos.
      Primeiro de tudo evite San Marco e a “trilha” turística que leva você da estação de trem até lá.
      Não tem nada que mereça ou na melhor das hipóteses é tudo caríssimo.
      Quando visito Veneza gosto muito de experimentar os famosos “cicheti”, por exemplo. São petiscos servidos antes do jantar ou do almoço nos bares chamados “bacari”. Enfim, um aperitivo acompanhado por boa comida veneziana. Geralmente são feitos fatias de pão e pescados típicos de Veneza (por exemplo bacalhau) e verduras. O ideal é pedir um vinho branco veneziano ou o famoso Spritz.
      O hábito dos cicheti é típico de Veneza. Se puder, não perca.
      Os meus bairros preferidos são: Cannaregio (incluindo o Ghetto Vecchio), a zona da Universitá Cá Foscari, Dorsoduro, San Polo e Giudecca.
      Aí vão umas dicas (mas é questão de gosto): Al Timon (pertinho do gueto), Bar Ai Nomboli (San Polo), Al Bottegon (Dorsoduro), Cantina Do Spade (San Polo), Osteria Alla Vedova Ca’ D’Oro (também com serviço restaurante).
      Quando tem restaurante além do bar, você vai gastar mais ou menos 10-12 euros por um prato de massa.
      Confira tudo no Trip Advisor para ver se gosta.
      Qualquer dúvida, entre em contato.

      Responder
  3. Ana Paula
    Ana Paula says:

    Oi Adelaide
    Oi Adelaide, tudo bem? As suas informações são ótimas, mais preciso de mais uma dica sua fora desse roteiro de Veneza: vou sair de Veneza de trem em um sábado, em direção a Milão, e pretendo parar em Verona. Você acha que uma tarde em Verona daria para um passeio legal e fazer o circuito básico de lá (a arena, o Castelvecchio Bridgeastelo e casa de Julieta)?
    Desde já te parabenizo pelo ótimo blog.
    Ana Paula

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Oí Ana Paula,
      obrigada pelo contato. 🙂
      O centro histórico de Verona é relativamente pequeno. Vai dar tempo para você ver o que quer. Em abril os dias são mais longos e anoitece depois das 19 horas.
      Planeje a sua visite em função dos horários dos museus, no caso você queira entrar.
      Bom dia!

      Responder
  4. Thais
    Thais says:

    Adelaide, boa noite. Primeiramente eu gostaria de agradecer o blog, achei o mais completo de todos que vi. Irei eu e meu marido para a Italia em julho, ficaremos 20 dias. Incluimos as seguintes cidades: Genova, Parma, Maranello, Trentino, Veneza, Florença, Volterra, Roma, Napoles, Pompeia, Sorrento, Capri, Amalfi, Bari e Sicilia, por favor, ja que reside na cidade, tem alguma cidade que devo incluir ou excluir do roteiro? Somos um casal jovem de 26 anos e faremos tudo de carro, gostamos muito de gastronomia e cultura, mas não gostamos de balada e agitação. Além disso, voce pode dar dicas quanto ao seguro viagem? Nunca viajei para uma cidade que fosse obrigatório e como estamos fazendo nosso roteiro por conta, nao acionei a agencia de turismo para o seguro. obrigada. Bjs.

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Oí Thais,
      fico feliz que tenha gostado do blog 🙂

      Viajar de carro é sempre uma experiência muito legal. Eu gosto muito. Principalmente na Itália onde a paisagem é maravilhosa.

      Seu roteiro está legal apesar de longo. Mande dizer quais cidades você quer visitar no Trentino e na Sicília. São duas regiões muito grandes e em 20 dias não vai dar para ver tudo.

      A minha dica geral é prestar atenção ao tempo gasto com a viagem de carro, principalmente no seu caso porque em 20 dias vai viajar pela Itália inteira.

      Faça uma simulação dos trajetos no Google Maps por exemplo e coloque nos cálculos o tempo que vai gastar com estacionamento, procurando o hotel, etc.

      Depois considere no mínimo 2-3 dias em Roma, 2 dias em Veneza, 2 dias em Florença, 2 dias em Napóles e Pompeia, 1 dia em Sorrento-Amalfi, etc etc. Só em seguida inclua outras cidades.

      O seguro de viagem pode ser on line, não precisa acionar agência de turismo. Procure em função do preço e do tipo de pacote. Eu aconselho viajar sempre com seguro.

      Fico aguardando, bom dia pra você.

      Responder
  5. Thais
    Thais says:

    Oi Adelaide.
    Em Trentino quero ficar em Bolzano. Na Scicilia, separei 2 dias, ainda não tenho ideia quanto as cidades, mas vi na internet que Palermo é um bom lugar para ficar.
    Obrigada pelo auxilio.

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Oí Thais,
      acho o seu roteiro muito apertado. Bolzano é longe e Palermo também. Considere que na realidade o legal da região de Bolzano (Região Alto Adige e não Trentino) não é a cidade em si mas as montanhas e as pequenas cidades que ficam nos vales das redondezas.
      Se for a sua primeira visita na Itália, a minha dica é enxugar um pouquinho o roteiro. Por exemplo deixe as cidades mais importantes como Roma, Napoli, Veneza, Florença e faça um tour de carro somente na Toscana com Volterra, San Gimignano, Siena, Pisa, Lucca etc.
      Aqui no blog tem dicas sobre um tour de carro na Toscana saindo de Roma e sobre a Sicília.
      Abs.

      Responder
  6. Maria Sousa
    Maria Sousa says:

    Olá!
    Somos quatro amigas portuguesas e planeamos ir a Veneza no Carnaval e em seguida ir a Como. Há viagens de autocarro ou de comboio para lá? Qual o site para encontrar horários e preços? Será que nos pode dar uma ajuda? Ou é melhor alugar um carro? Obrigada!

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Olá Maria,
      Eu aconselharia o trem. É mais prático e rápido. Há várias opções de trens e horários. Até Milão, o melhor é o trem super rápido Freccia Rossa. Em Milão tem que fazer conexão para Como. A viagem dura 3 h / 3,5 h, dependendo do tipo de trem.
      Consulte o site oficial (selecione inglês).
      http://www.trenitalia.com/
      Comprando com uma certa antecedência, a economia é de 50%. Para o Carnaval eu diria uns dois meses antes ou até mais se o site deixar. Não deixe para a última hora porque fica muito caro.
      Além disso, periodicamente, na homepage do site tem vários tipos de ofertas, como por exemplo, descontos para viagem ida e volta no mesmo dia, etc.
      A opção carro é mais complicada na minha opinião. Estacionamento em Veneza, trânsito, condições meteo, etc. Mas tente fazer um orçamento. Pode ser mais barato.
      Boa viagem e…divirtam-se 🙂
      Abs.

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *