Passeio a pé entre as passagens cobertas de Paris


Você gosta daquele jeitinho retrô das cidades europeias onde o tempo passa suavemente, quase despercebido? Então visite as passagens cobertas de Paris, antigas galerias onde os parisienses passeavam, faziam compras, conversavam nos bistrôs sem pensar nos caprichos da chuva e do sol.

As passagens cobertas – em francês galeries ou passages couverts – ficam encravadas entre edifícios, em vários pontos da cidade, interligando duas ou mais ruas do quarteirão. Foram construídas no início de 1800 e durante muitos anos foram um importante elemento da vida social parisiense. Hoje estão em via de extinção mas as sobreviventes conservam um charme especial.

As galerias mais bonitas e importantes podem ser visitadas sem muita complicação durante um passeio a pé no centro da cidade, sem ter que mudar o roteirão dos pontos turísticos. Falo isso porque sei que Paris é repleta de atrações mundialmente conhecidas que ninguém quer perder…e o tempo é curto. Mas planejando vai dar.

Eu sempre escrevo aqui no blog que as cidades não são feitas somente de atrações turísticas. Quando planejar sua viagem nunca deixe de incluir uma “fuga do óbvio” que, no caso das galerias, fica logo atrás do Louvre e do Palais Royal, mas longe do corre-corre dos boulevards.

O passeio deve ser encarado como um momento de relax e de comprinhas fora do padrão porque as galerias cobertas de Paris não tem nada a ver com shopping center ou loja de departamentos. O objetivo é curtir a arquitetura e a decoração das vitrines, sentar para um café ou um lanche. E por que não xeretar nos brechós vintage e nas boutiques de luxo?

As melhores passagens cobertas de Paris

Galerie Véro-Dodat

Construída em 1826 em estilo neoclássico, é uma das galerias mais bonitas de Paris. A galeria fica no centro, perto do Louvre e do Palais Royal, outro tesouro imperdível. Apesar de pequena, a galeria abriga lojas finas, bistrôs e galerias de arte com fachadas muito estilosas.

As leitoras fashionistas vão gostar de saber que o querido Christian Louboutin tem duas “lojinhas” dentro da galeria, sendo uma delas exclusivamente masculina (para os leitores fashionistas) 🙂

Fica perto da Galerie Vivienne.

Endereço| Rue Jean-Jacques Rousseau 19 – 2° arr.

Parada metrô | Palais Royal

Galeria Véro-Dodat

A entrada da Galeria Véro-Dodat


Galeria Véro-Dodat

O charme das fachadas e da iluminação retrô.


passagens cobertas de paris

Christian Louboutin…mas nem precisava explicar, não é mesmo?


Galeria Véro-Dodat

Olhando a entrada da galeria ninguém diria que dentro tem tantas lojas legais


Passage du Grand Cerf

Construída em 1825 no local do Hotel du Grand Cerf. Outro bijoux parisiense: piso em mármore, cúpula de vidro, detalhes em ferro, vitrinas com molduras de madeira. Lojas muito bonitas onde comprar uma peça exclusiva ou um presente diferente.

A galeria fica bem perto da Rue Montorgueil, uma das mais famosas ruas gastronômicas de Paris. Leia mais sobre o assunto no post As melhores ruas gastronômicas de Paris.

Endereço| Rue St Denis 145 ou Place Goldoni – 4° arr.

Parada metrô | Étienne-Marcel

Galeria Grand Cerf

Super legal perder meia hora nas lojinhas da Grand Cerf


Galerie Vivienne

Construída em 1823, é ainda hoje uma das galerias mais frequentadas e charmosas da cidade. A galeria Vivienne é coberta por uma imensa e belíssima cúpula de vidro e o seu piso em mosaico foi desenhado pelo artista italiano Facchina que aliás decorou muitos edifícios parisienses.

A galeria abriga principalmente lojas e restaurantes de luxo como por exemplo a famosa enoteca Legrand Filles et Fils.

Fica perto da Galerie Véro-Dodat e da Rue Saint Honoré.

Endereço| Rue des Petit Champs 4 – 2° arr.

Parada metrô | Bourse

passagens cobertas de paris

Puro charme parisiense


Galerie Vivienne

O saguão da galeria onde fica a famosa enoteca parisiense Legrand Filles et Fils


Galerie Vivienne

Piso em mosaico desenhado pelo artista italiano Facchina


Passage Choiseul

Construída em 1827, atualmente (maio 2017) em reforma mas aberta ao público.

Ambiente mais simples se comparado com o luxo das galerias Vivienne e Véro-Dodat. Mas acho que vale a pena pela autenticidade e pelo valor histórico. Ficou famosa porque descrita no obra-prima Morte a crédito do escritor francês Céline, que morou durante 18 anos na galeria onde a mãe tinha uma loja de rendas.

A galeria abriga várias lojas, galerias e cafés, além do Théâtre des Bouffes-Parisiens (cuja entrada fica na parte de trás da galeria).

Fica a 500 m da Galerie Vivienne.

Endereço| Rue St-Augustin 23 – 2° arr.

Parada metrô | Quatre Septembre ou Bourse

Passage Choiseul

Passage Choiseul, menos luxo e menos turística


Outras passagens cobertas de Paris

Existem outras galerias em Paris que podem ser incluídas no passeio. Tudo depende do tempo disponível e do trajeto do seu roteiro.

Por exemplo, a Galerie Colbert fica ao lado da Galerie Vivienne mas não é comercial, ou seja, não tem lojas. Hoje em dia faz parte da Biblioteca Nacional e abriga instituições públicas. Quando estive lá, a visita estava restrita ao saguão.

Ou a Passages des Panoramas (Boulevard Montmartre 11) que fica meio afastada das outras mas é muito bonita. Foi a primeira galeria de Paris, construída em 1799 e citada no romance Naná de Émile Zola. Abriga lojas filatélicas, bares e restaurantes, inclusive Noglu, um dos restaurantes gluten free mais badalados de Paris.

Quem vai até a Passage des Panoramas pode dar uma esticadinha até a Passage Jouffroy (eu não cheguei a ir) que fica no Boulevard Montmartre 10-12. Muito conhecida porque abriga o museu de cera Grévin e porque foi ali que o compositor italiano Rossini compôs a ópera Guilherme Tell.

Bom passeio!

Guarde no Pinterest para ler depois

Passagens cobertas de Paris

12 respostas

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Como ela não tem um roteiro fechado, ela compartilha as viagens que faz, de forma mais aleatória. Os relatos são ótimos, sempre com dicas interessantes. Destaque especial para o post sobre o passeio a pé entre as passagens cobertas de Paris. […]

  2. […] Como ela não tem um roteiro fechado, ela compartilha as viagens que faz, de forma mais aleatória. Os relatos são ótimos, sempre com dicas interessantes. Destaque especial para o post sobre o passeio a pé entre as passagens cobertas de Paris. […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *