Roteiro em Lecce

Roteiro em Lecce: a Florença do sul da Itália


O título Roteiro em Lecce não faz jus ao destino, porque é praticamente impossível visitar Lecce sem dar uma esticadinha nas redondezas. Afinal estamos falando da Região Puglia – ou Apúlia em português – uma das mais bonitas da Itália e não posso deixar de mencionar Ostuni, Alberobello, Trani e Gallipoli, e porque não, as praias “caraíbicas” da costa do Salento.

Entre os vários destinos possíveis, Lecce é especial porque é uma das capitais do Barroco italiano, conhecida merecidamente como a Florença do Barroco ou a Florença do Sul. Fica no “salto da bota”, bem no sul, na península do Salento, entre o Mar Jônico e o Mar Adriático.

Mesmo ficando no sul da Itália, Lecce e, em geral a Puglia, são lugares tranquilos, sem grandes problemas de criminalidade urbana. Eu gosto sempre de esclarecer que certos chavões sobre o sul da Itália são injustos e não descrevem a complexidade histórica e social da região. Sob muitos aspectos o sul é mais atrasado, com infraestruturas e serviços carentes. Mas estas diferenças são normais e ocorrem na maior parte dos países do mundo. Fazem parte da história e da cultura do país e na minha opinião não devem ser evitadas. Entender faz parte da viagem. Evitar certos bairros em cidades consideradas perigosas é uma precaução necessária, mas não é o caso de Lecce.

Considere também que nos últimos anos a Puglia entrou em um processo de valorização do turismo, principalmente no verão, oferecendo soluções sustentáveis que fazem inveja a qualquer localidade do centro e do norte da Itália.

Vai tranquilo…porque a Puglia é linda, além de oferecer vinhos e pratos deliciosos, conhecidos no mundo inteiro.

Dois minutos sobre a história de Lecce

Os vestígios arqueológicos encontrados em Lecce certificam que o primeiro núcleo existia já na Idade do Ferro. Os primeiros habitantes são oriundos da ilha de Creta. Inicialmente a cidade fez parte do Império Romano e ainda hoje as ruínas das construções romanas podem ser vistas no centro. Com a queda de Roma, Lecce sofreu várias invasões e passou sob o domínio dos Bizantinos. Durante esse período a cidade perdeu importância comercial e somente com a chegada dos Normandos, no ano 1000, recomeçou a crescer. Foi justamente durante a dominação Normanda que foram construídos importantes monumentos ainda hoje existentes, como a Catedral (Duomo) e os mosteiros dei Santi Niccoló e Cataldo e de San Giovanni Evangelista.

Mais tarde, graças ao Imperador Carlos V, Lecce volta a ser um dos centros mais importantes do sul da Itália. Em meados de 1600 tem início a construção dos principais monumentos barrocos que hoje são o símbolo da cidade.

O barroco de Lecce

Uma das principais características da arte barroca de Lecce é o uso da “pietra leccese“, uma rocha calcária muito maleável, de cor branca com nuances douradas, ideal para a realização de esculturas. O barroco de Lecce foi muito influenciado pelo estilo espanhol, sendo particularmente rico de ornamentações, principalmente nas fachadas. As tonalidades muito claras dos edifícios dão um toque único ao centro histórico.

Em Lecce o estilo barroco não foi usado somente nas igrejas e nas residências nobres, mas também nas fachadas das residências particulares.

roteiro em lecce - fachada

Riqueza de detalhes na fachada barroca – Lecce


Um roteiro em Lecce

Por ficar longe das principais cidades italianas, um roteiro em Lecce pode ser encaixado somente em uma viagem no Sul da Itália.

A cidade pode ser visitada em um dia ou dois para dar tempo de ir até o litoral (desaconselhável no inverno). Um roteiro mais abrangente com paradas em outras atrações do Salento não deve durar menos de uma semana, principalmente no verão quando as praias pedem uma esticadinha.

Lecce é uma cidade relativamente pequena, ideal para bater pernas sem correria, com cantinhos super charmosos para tomar um caffè leccese (café, leite de amêndoas e gelo) ou um bom vinho tinto pugliese, como o famoso Primitivo.

Como sempre na Itália, uma visita não fica completa sem um mergulho de cabeça nos sabores locais. Lecce não é uma exceção, com receitas de grão de bico, queijos, berinjela, para não falar dos doces.

Para conciliar o paladar com o intelecto, sugiro em roteiro bem enxuto para dar tempo de fazer tudo em pouco tempo.

  • Porta Rudiae, Via Libertini e suas igrejas | passando pela Porta Rudiae, a cidade vira dourada…Isso mesmo, a Via Libertini é uma exposição de fachadas barrocas em “pietra leccese”. Entre elas a belíssima Basilica di San Giovanni Battista, do século XVI-XVII e a Chiesa di Santa Teresa, igreja barroca de 1620.
  • Duomo e piazza del Duomo (Catedral e praça) | a exuberante catedral, construída em 1144 e reconstruída em 1659 em estilo barroco, é sem dúvidas um dos monumentos mais bonitos da cidade. Fica no final da Via Libertini. Decorada com vitrais, detalhes em ouro e altar de mármore.
  • Via Vittorio Emanuele II | uma das ruas principais, com fachadas claras e uma pavimentação em pedra de fazer inveja de tão limpa. Bistrôs e lojinhas completam a “decoração”.
  • Piazza Sant’Oronzo | no fim da Via Vittorio Emanuele II fica a praça, o coração da cidade antiga. Aqui ficam o Anfiteatro (séc I a.C) e a Colonna del Santo (coluna romana com o padroeiro). Imaginem que o anfiteatro foi descoberto por acaso, no subsolo da praça. Tinha capacidade para 14.000 pessoas.
  • Chiesa di Santa Croce | seguindo pela Via Umberto I, fica a basílica, o monumento barroco mais importante de Lecce e um dos mais significativos da Itália. A construção foi iniciada em 1353 mas foi terminada somente em 1695.
  • Palazzo dei Celestini | fica ao lado da igreja, foi um antigo mosteiro da ordem dos celestinos. Hoje é sede de órgãos do governo.
  • Castello Carlo V | perto da Piazza Sant’Oronzo e do Anfiteatro fica o forte construído pelo imperador Carlos V em meados de 1500.
Catedral de Lecce

Detalhe da fachada da Catedral de Lecce


Roteiro em Lecce - Celestini

A arquitetura barroca do Palazzo Celestini


Info úteis

Além dos atrativos acima um roteiro em Lecce pode incluir também as igrejas Chiesa di Santa Chiara e Chiesa di San Marco, além do teatro romano que fica na Via Arte della Cartapesta.

Informações gerais sobre a cidade e sobre o Salento podem ser encontradas nos sites abaixo:

O que ver nas redondezas

Quem tiver um pouco mais de tempo, principalmente durante o verão, pode completar o roteiro em Lecce com uma visita no famoso litoral do Salento. Pertinho de Lecce, por exemplo, fica a praia de San Cataldo, antigo porto romano. Mas as praias top são a Baia dei Turchi, antes de Otranto e Pescoluse (conhecidas como Maldivas do Salento) que fica entre as cidades de Gallipoli e Leuca, imperdíveis também.

Roteiro em Lecce - Costa Salento

Costa do Salento na Puglia


Fotos: Adelaide Pereira

8 respostas
  1. Marina
    Marina says:

    Oí, estou adorando o blog e as dicas de viagem. Estou organizando um roteiro de carro na Puglia para o mês de outubro. Quantos dias são necessários na sua opinião? Quantos dias em Lecce, por exemplo?
    Abs

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Oí Marina, o que você gostaria de visitar na Puglia? Tem tantas cidadezinhas bonitas (Alberobello, Ostuni, Otranto, etc…) que fica difícil dizer quantos dias você deveria ficar. Em Lecce eu aconselho uma noite.
      Fico aguardando.
      Abs

      Responder
  2. Marina
    Marina says:

    Obg Adelaide. Na realidade eu vou visitar parentes na cidade de Bari e vou ficar duas semanas. Sei que tem muito e que ver. Você tem sugestões de bate-volta para evitar pernoite e hospedagem?

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Olá Marina,
      perto de Bari tem várias cidades lindas que você pode visitar com bate-volta:
      – Monopoli
      – Alberobello (não deixe de visitar, é maravilhosa)
      – Ostuni
      – Trani
      – Altamura
      A Puglia vale a pena. A gastronomia é excelente. Explore.
      Abs

      Responder
  3. Giovane
    Giovane says:

    Oi Adelaide,
    Estou pensando em ir no na última semana de fevereiro e primeira de março, o passeio sairia de Nápoles, passaria pela Calábria e pela Puglia, são 12 dias, estou receoso do frio, seria tudo de carro, o que vc acha?

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Olá Giovane,
      o roteiro está legal.
      Apesar de ser fim de inverno, pode estar frio. A vantagem é que o sul da Itália é sempre um pouco mais quente em relação ao norte. Durante o dia se tiver sol as temperaturas ficam agradáveis e não impedem o passeio. Mas à noite sempre esfria.
      Mas tudo depende do ano. Impossível fazer previsões.
      Se o tempo estiver ruim quando você chegar, por exemplo nevando, eu aconselharia viagem de trem.
      Abs.

      Responder
  4. Ana Paula
    Ana Paula says:

    Oi Adelaide, td bem?
    Terei 6 dias em Lecce no meio de agosto, fim do verão.
    A ideia é fazer turismo litorâneo, mas, obviamente, sem deixar a parte histórica da cidade. Vc recomenda a estadia em Lecce mesmo?
    Pensei em alugar um carro para visitar todo o litoral a redor.
    Obrigada

    Responder
    • Adelaide
      Adelaide says:

      Maravilha Ana Paula! Roteiro top! 🙂
      Primeira dica: meados de agosto não é fim de verão ainda. E verão mesmo. Tem ainda muito turista na costa da Puglia. Reserve com antecedência.
      Se a sua ideia é turismo litorâneo, talvez seja melhor escolher uma cidade costeira. Se você for ficar somente nas redondezas de Lecce, faça tudo com bate-volta. Se você quiser percorrer o “salto da bota” todo então escolha dois pontos de apoio, uma do lado de Lecce e outro do lado de Gallipoli. Evite Taranto. Assim você vai economizar tempo.
      Como é tudo mais ou menos perto, você pode curtir praia e a tardinha visitar o centro histórico das cidades.
      Boa viagem e aproveite uma das regiões mais bonitas da Itália!!
      Abs

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *